Ciência & Natureza

Quando falamos de ciência, geralmente estamos nos referindo à chamada ciência moderna, que, apesar de nascer em universidades e centros de pesquisa, coexiste com outros processos de obtenção e acumulação de conhecimentos, como os saberes tradicionais.

 https://naturezacuriosa.bioorbis.org/2018/09/ciencia-natureza.html
Pixabay/Domínio Público.

VAMOS APRENDER...

Nos ambientes da savana africana, o saber acadêmico dá espaço aos saberes dos povos locais, capazes de reconhecer sinais e interpretar códigos desconhecidos pela ciência convencional.

No Brasil há numerosas populações tradicionais, indígenas ou não, cuja definição que adotamos é proposta por Antônio Carlos S. Diegues:

"Comunidades tradicionais estão relacionadas com um tipo de organização econômica e social com reduzida acumulação de capital, não usando força de trabalho assalariado; nela, produtores independentes estão envolvidos em atividades econômicas de pequena escala, como agricultora, pesca, coleta e artesanato."

Diegues, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada.
São Paulo: Hucitec, 1996

CIÊNCIAS NATURAIS


Ao estudar Ciências Naturais, conhecemos novas palavras, cujo significado deve ser incorporado ao nosso vocabulário.

E quando ampliamos o nosso vocabulário nos tornamos melhores leitores e melhores ouvintes, pois podemos entender melhor textos escritos ou falados. Conhecendo maior quantidade de palavras, podemos escolher a que expresse nossas ideias com maior clareza.

Ciências Naturais são as matérias científicas destinadas ao estudo das características gerais e fundamentais da natureza, assim como todas as leis e regras naturais que a regem.


savana
Savanas africanas. Pixabay/Domínio Público.

Do ponto de vista das ciências naturais, aspectos como o comportamento dos seres vivos são ignorados, sendo observados e estudados exclusivamente os fatores de ordem naturalmente físicas.

As ciências naturais utilizam do método de experimentação para analisar os seus objetos de estudo, sendo que estes não podem ter sido criados a partir da intervenção dos seres humanos. A Medicina, a Biologia e a Geologia são exemplos de matérias que fazem parte das ciências naturais.

Percebendo ou não, estamos constantemente lidando com biologia. Afinal, os alimentos que comemos , as atividades físicas que executamos, as manifestações do afeto e da sexualidade,  as doenças que nos afligem, as roupas que vestimos, os combustíveis que utilizamos e as mudanças ambientais estão, direta ou indiretamente, relacionados aos seres vivos.



VIDA, AMBIENTE E ADAPTAÇÃO


Em 1973, o biólogo ucraniano Theodosius Dobzhansky (1900-1975) publicou um ensaio cujo título tornou-se celebre:

Nada em Biologia faz sentido, exceto à luz da evolução.

Ao afirmar que a evolução dá sentido à biologia, Dobzhansky apoiou essa ciência em dois eixos: ambiente e adaptação.


girassol
Pixabay/Domínio Público.

Se quisermos compreender a respiração dos vertebrados, por exemplo, precisaremos conhecer as características dos ambientes, que eles ocupam e ocuparam durante a evolução e as transformações ocorridas durante a história natural desse grupo de animais. Se não adotarmos esse procedimento, a biologia converte-se em uma lista interminável de nomes e processos desconexos e incompreensíveis.

Tentar compreender a biologia de modo dissociado do processo evolutivo é como tentar entender um romance conhecendo apenas a descrição dos personagens, sem se preocupar com a história da vida de cada um e como esses personagens se relacionam entre si e com o ambiente.

A biologia trata de bilhões de anos de ocupação da Terra pelos seres vivos. Essa narrativa descreve como a vida adapta-se aos diversos ambientes, os quais também se alteram profundamente durante esse tempo.


elefante
Pixabay/Domínio Público.

A evolução biológica envolve processos únicos e irreversíveis, como o desenvolvimento das plantas com flores, o aparecimento dos primeiros vertebrados terrestres, o desaparecimento dos dinossauros e a origem da espécie humana. A Biologia também procura explicar o surgimento de inovações adaptativas (por exemplo, como surgiram os vasos condutores de seiva das plantas ou como evoluiu a circulação nos vertebrados), os possíveis caminhos do processo evolutivo, bem como o ritmo e os mecanismos que proporcionaram a evolução.

Quando um biólogo pergunta " por que tal fenômeno acontece" ou " como tal fenômeno acontece", ele pode recorrer a uma reconstrução histórica. É evidente que, diante da tentativa de explicar a extinção dos dinossauros há 65 milhões de anos, não se imagina a realização de um experimento laboratorial. A resposta deverá ser buscada na reconstituição do evento por meio da análise de registros fósseis, da composição química das rochas e do clima da época, entre outras pistas.



Referências
CANTO, Eduardo Leite. Ciências Naturais - Aprendendo com o cotidiano. Editora Moderna, 2ª Edição, 2004.
FAVARETTO, José Arnaldo. Biologia - Unidade e Diversidade. Editora Saraiva. 1ª Edição São Paulo, 2013.

Para finalizar veja um vídeo do canal TheCaiisiie, sobre CIÊNCIAS NATURAIS - abc:


Comentários

Seguidores

Agregadores

GeraLinks - Agregador de links Uêba - Os Melhores Links Linka Links - Agregador de links Trends Tops Agregador de Links Eu Te Salvo O 1º agregador de conteúdo de Portugal