Os fósseis de plantas: Angiospermas e Gimnospermas

O estudo que abrange os fósseis de plantas é chamado de Paleobotânica. Aqui veremos alguns fósseis de Angiospermas e Gimnospermas.


A Paleobotânica: o estudo dos fósseis de plantas


A Paleobotânica é um ramo da biologia dentro da paleontologia que estuda os vegetais fósseis, também denominados fitofósseis (do grego fito = plantas; latim fossillis = extraído da terra), ou seja, os restos mineralizados de plantas que existiram há muitos milhares e milhões de anos, na vida da Terra.



Durante muitos anos os seres vivos serem classificados quer como plantas - e estudados pelos botânicos - quer como animais - estudados pelos zoologistas. Os arqueólogos também estudam restos fossilizados de plantas e animais, mas no sentido de compreenderem as atividades humanas em determinado período da história da Terra, tais como os hábitos alimentares, a criação de animais ou cultura de plantas, comércio desses organismos, etc.



A paleobotânica tem como foco principal o estudo de fósseis do Reino Plantae, mas também estão inclusos fósseis dos Reinos Monera (bactérias e cianobactérias), Fungi (fungos e afins) e alguns do Reino Protista (algas), pois historicamente estes organismos eram classificados como pertencentes ao Reino Plantae.

Para a aplicação dos estudos geológicos é necessário à inclusão de várias outras ciências, entre elas:

- Geocronologia: procura estimar o tempo relativo aos ciclos de vida e de fossilização dos fósseis vegetais.
- Paleoecologia: relaciona o espécime com o seu ambiente de vida.
- Estratigrafia: avalia o posicionamento do espécime fóssil na camada rochosa.
- Tectônica: através de reconstituições paleofitogeográficas colabora para o entendimento das grandes extinções e surgimento de importantes grupos florísticos.
- Geoquímica: através da quimiotaxonomia, corroboram os estudos de taxonomia e reconstituição paleoambiental.

Agora vamos ver algumas espécies fósseis de plantas de Angiospermas e Gimnospermas:

Hymenaea sp.


Um fóssil de Hymenaea sp. Fonte da imagem: Wikipédia.

Grupo do organismo: Angiospermae (Angiospermas).
Período: Cretáceo
Localização: No mundo todo.



Essas plantas aparecem no registro de fósseis em torno de 100 milhões de anos atrás. As flores representam um importante desenvolvimento na reprodução das plantas. O fato de atrair insetos fez com que as plantas tivessem m bom índice de sucesso na polinização. As primeiras angiospermas, ou plantas florescentes, foram as magnólias. Na ilustração acima, ma flor da espécie Hymenaea, membro da família das leguminosas.

Cavalinhas (Calamite sp.)


Cavalinha fóssil. Fonte da imagem: The Collector of Fossils

Grupo: Gimnospermas.
Período: Carbonífero superior
Localização: no mundo todo.

As cavalinhas eram parte importante das florestas do Carbonífero. Este tipo, um dos fósseis mais comuns do período, alcançou 18 m de altura. Os fósseis representam os caules com sulcos longitudinais. As cavalinhas ainda são comuns em terrenos pantanosos de várias partes do mundo, mas as espécies sobreviventes são pequenas: não ultrapassam 1 m de altura.

Annularia


Fósseis de Annularia. Pixabay/Domínio Público.

Grupo: Gimnospermas
Período: Carbonífero superior
Localização: No mundo todo.

As folhas espiraladas ligeiramente espatuladas da Annularia são comuns nos depósitos da Pensilvânia. No espécime da imagem acima, os feixes de folhas foram desalojados e fossilizaram-se individualmente, mas com frequência são encontrados ainda ligados à superfície superior do ramo.

Stigmaria ficoides


Fóssil de Stigmaria ficoides. Fonte da imagem: The Fossil Dude.

Grupo do organismo: Gimnospermas
Período: Carbonífero
Localização: Europa.



A estigmaria é uma espécie de táxon para fósseis comuns encontrados em rochas do período Carbonífero. Eles representam as estruturas de enraizamento subterrâneo de árvores de licor de floresta de carvão, como Sigillaria e Lepidodendron. São raízes fossilizadas dos Lepidodendron, licopódios das árvores. Embora a maioria dos licopódios sobreviventes seja pequena, este gênero atingiu alturas superiores a 45 m, cujos troncos tinham casas bastante grossas e sistema espalhado de raízes. O gênero está extinto mas, durante seu auge, abrange mais de cem espécies. Suas  raízes são geralmente encontradas na forma de elementos fundidos em camadas sedimentares logo abaixo dos leitos de carvão.

Pecopteris sp.

Fósseis de Pecopteris. Fonte da imagem: pinterest.com

Grupo do organismo: Gimnospermas.
Período: Carbonífero 
Localização: Europa, América do Norte, note da África e Ásia.

Pecopteris é um gênero de folhas fronde, formado por vários grupos de plantas não relacionados, que floresceu no período Carbonífero. As Pecopteris apareceu pela primeira vez no período Devoniano, mas floresceu no Carbonífero, especialmente na Pensilvânia. Os Pecopteris eram samambaias verdadeiras, ou pteridófitas; suspeita-se porém que alguns membros do gênero evoluíram para samambaias com sementes. As samambaias verdadeiras são "pioneiras" na história da evolução, incluindo as primeiras folhas complexas e os primeiros ramos com galhos. Hoje, são bem menores e habitam à sombra de árvores angiospermas mais desenvolvidas.

Alethopteris sp.


Um fóssil da planta Alethopteris. Fonte da imagem: Wikipedia.

Família: Alethopteridaceae.
Grupo: Gimnospermas
Período: Carbonífero.
Distribuição: EUA, Europa e Ásia

Alethopteris é um gênero de planta pré-histórico de fósseis de Pteridospermatophyta que se desenvolveu no período Carbonífero. As florestas pantanosas de carvão do carbonífero cobriam a maior parte do que hoje se conhece como hemisfério norte. As Alethopteris tinham sementes (pteridosperma), é relativamente delgada com folíolos afilados mais retos do que os de seus parentes próximos. As samambaias com sementes representaram um grande progresso na evolução das plantas. O embrião da planta permanecia protegido, geminando quando as condições eram muito favoráveis.

Glossopteris


O fóssil de Glossopteris. Fonte da imagem: Science | HowStuffWorks.

Grupo do organismo: Gimnospermas.
Período: Triássico.
Localização dos fósseis encontrados: Antártida, Nova Gales do Sul (Austrália).

Glossopteris é o maior e mais conhecido gênero da extinta ordem de samambaias com sementes conhecidos como Glossopterídeas. Por muito tempo considerados samambaias depois de sua descoberta em 1824, mais tarde foram incluídos entre as gimnospermas. O gênero está colocado na divisão das Pteridospermatófitas.

 https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ

Comentários

  1. Ótimo blog, caso tenha interesse em conhecer o nosso blog acesse o blog: Meu Blog?Site: https://conectadosaopaulo.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seguidores

Agregadores

GeraLinks - Agregador de links Uêba - Os Melhores Links Linka Links - Agregador de links Trends Tops Agregador de Links Eu Te Salvo O 1º agregador de conteúdo de Portugal